Food Tips

Porque eu parei de comer carne (e não me arrependo por nem um segundo)

novembro 12, 2015
Por que parei de comer carne - Invertisa

Em agosto de 2014, tomei uma decisão: cortar a carne vermelha do meu cardápio.

O motivo inicial? Por incrível que pareça, foi porque eu estava me sentindo MUITO cansada, e, ao falar sobre isso com meu pai (que já não come carne vermelha há muitos anos, porque ele tem uma ligação muito forte com a filosofia oriental), ele me disse que era por comer carne vermelha, já que ela tinha uma digestão muito difícil e portanto exigia muito da nossa energia. Então decidi parar.

E, aos poucos, fui descobrindo mil outros motivos que me fizeram não voltar a comer nunca mais – que listarei pra vocês daqui a pouco.

Por ser muito ligada com o Yoga e um dos primeiros princípios dessa filosofia ser o ahimsa (não-violência, tanto consigo como com os outros – animais inclusos), eu já tinha vontade de cortar todas as carnes do meu cardápio há um tempo, mas achei que fosse demorar bastante até conseguir tirar também o frango e o peixe.

Até que, em julho desse ano, fui para a Chapada dos Veadeiros com duas amigas vegetarianas (a Marcinha e a Mari), e me propus a passar uma semana totalmente sem carne lá (muitas pessoas têm a mania de chamar de “carne” apenas a carne vermelha, mas na verdade essa palavra se refere a todos os alimentos de origem animal – gado, frango, peixe, frutos do mar..).

Agora, imaginem minha surpresa quando tive uma das semanas mais incríveis da minha vida, e percebi que ser vegetariano é muito mais fácil do que a gente imagina?

Voltei pra São Paulo e me perguntei o seguinte: pra quê voltar a comer carne, se eu conseguia me nutrir muito melhor, com uma variedade incrível de alimentos, sem precisar matar ninguém?

E, deixe-me contar pra vocês: a vida muda. Você se sente mais vivo, porque não tem mais energia de morte no seu organismo, sabe? A unha fica mais forte, o cabelo cresce mais lindo, você fica mais disposto, e, o que me deixou ainda mais feliz: não fiquei mais doente! No primeiro semestre desse ano, eu simplesmente ficava doente todo mês, tive amigdalite 3x num período de 2 meses, e, depois de virar vegetariana, não fiquei doente mais nenhuma vez!

Minha mãe ficou desesperada no começo, com aquela nóia da proteína. “Mas nem peixe, filha? Faz tão bem!”. Não, nem peixe. Mas ainda como ovo e tomo leite, ou seja, sou ovolactovegetariana. E também confesso que, sim, comi no rodízio de comida japonesa umas duas vezes desde julho, e também que bem de vez em quando ainda como frutos do mar – porque acredito que não temos que forçar a retirada uma coisa que nos faz muito feliz, e sei que com o tempo vou cortar completamente e vai ser natural. Mas na maior parte das vezes, em todo lugar que chego, sempre tem uma variedade de opções vegetarianas: arroz, grãos, verduras, legumes.. e, em último caso, uma massa. Antes a gente acha que é dificil, que vegetarianos só comem salada, mas não!

E essa ideia de que só carne tem proteína é um engano terrível, minha gente. Existe proteína de fonte vegetal, sim! Todos os grãos têm proteína – feijão, grão de bico, lentilha, feijão branco, ervilha -, sementes também – como quinoa, chia, gergelim, semente de girassol -, além de todos os vegetais e verduras verdes-escuro, como couve, espinafre e brócolis, e também alimentos como o tofu, cogumelos e spirulina (uma cianobactéria que você encontra sendo vendida em cápsulas ou em pó).

Eu indico que vocês tentem por um dia, pra verem como é tranquilo. É isso que o movimento Segunda Sem Carne propõe, e eles mostram todos os impactos positivos que você proporciona ao mundo ao passar um só dia por semana sem comer nenhuma carne (e também ao passar todos os dias).

Se você está pensando em parar, mas precisa dar um primeiro passo, sugiro que comece tentando cortar a carne vermelha por uma semana. Quando você perceber, já vai ter se passado um mês, seis meses, um ano. E, quando se sentir pronto, você para com as outras também. Foi o que eu fiz e o que a maioria dos vegetarianos fizeram também. E esses foram os principais motivos que me fizeram ter certeza de que tomei a decisão certa, e com certeza vão te incentivar também (tirei a maioria do próprio site do Segunda sem Carne):

1) Grande parte dos grãos produzidos mundialmente vai para a alimentação de animais, incluindo 60% do milho e da cevada e até 97% do farelo de soja. E a maioria destes produtos animais é consumida pelos povos mais ricos. Em um planeta com um bilhão de pessoas passando fome, as carnes apresentam-se como uma fonte de alimentos extremamente ineficiente, demandando recursos escassos como água e terras agriculturáveis – que poderiam ser usados diretamente para alimentação humana.

2) Muitos acreditam que a escravidão no Brasil acabou no século 19, mas não: no Brasil ainda há muita escravidão, e segundo a Comissão Pastoral da Terra, 51% dos casos de trabalho escravo estão ligados à pecuária.

3) A pecuária é responsável por 91% do desmatamento da Amazônia e muito da vegetação mundial continua sendo desmatada para a criação de pastos.

4) Uma alimentação centrada em vegetais favorece a prevenção de doenças crônicas e degenerativas como doenças cardiovasculares, hipertensão arterial, obesidade, diversos tipos de câncer e diabetes. Por apresentar tantos benefícios, dietas sem carne são estimuladas pela Associação Dietética Americana e Nutricionistas do Canadá, bem como por renomadas instituições como o American Institute for Cancer Research, American Heart Association, FDA (Food and Drug Administration), Universidade de Loma Linda, Departamento de Agricultura dos Estados Unidos e Clínica Mayo.

5) Devido ao uso intensivo de água na cadeia de produção de carnes, um consumidor  médio de carne demanda indiretamente mais de 3.800 litros de água a cada dia. E a pecuária é responsável por cerca de 30% de todo consumo de água limpa do mundo. A efeito comparativo: quando tomamos um banho bem tomado de dez minutos, ele consome em média 180 litros de água. Quando você come 1kg de bife, você está consumindo 15.500 litros d’água. Ou seja, o mesmo consumo de água do bife equivale a dois meses e meio de banhos diários. Em um momento de crise hídrica, vale refletir sobre isso, né?

6) A produção de 1 quilograma de carne bovina no Brasil emite 335 quilogramas de gás carbonico (CO2), equivalentes às emissões de dirigir um carro europeu médio por cerca de 1.600 quilômetros. E o setor pecuário é responsável por 14,5% das emissões de gases do efeito estufa globais oriundas de atividades humanas. Ou seja: ele está contribuindo – e muito – para o aquecimento global e todas as consequências que ele traz.

7) Os animais têm consciência e sofrem como nós. Não faz sentido cultivarmos amor por um cachorro ou um gato e simplesmente não nos importarmos com a morte e sofrimento de um boi, frango ou peixe. Fora que essa energia de morte e sofrimento vem para nós quando a ingerimos, e a carne dos bichos mortos apodrece dentro de nós e se incorpora à nossa carne. Não é triste e estranho quando você para pra pensar? É por isso que ao pararmos de comer carne nos sentimos tão mais “vivos”.

Pra concluir o raciocínio, quero deixar isso bem claro: não quero obrigar ninguém a nada. Se você é absolutamente apaixonado por carne, não consegue nem pensar na ideia de cortar, relaxe: não precisa forçar nada. Acho que não temos que sofrer tanto por algo, e sim respeitar nosso tempo, porque uma hora simplesmente flui. Só sugiro que, tendo todas essas informações em mente, você tente passar um dia sem, quem sabe uma semana, e ir testando. Porque se tem uma coisa que posso afirmar com certeza, é que estou MUITO melhor depois que parei. Me sinto mais leve e feliz, meu cardápio está muito mais variado (não fico presa àquele prato só com arroz + carne + uma saladinha, ele sempre tem pelo menos umas 4 cores diferentes), e os exames de sangue não me deixam mentir: estou muito mais saudável.

Por isso fiz esse post gigante contando tudo isso: quero que vocês também sejam mais saudáveis e ajudem a tornar o mundo um lugar melhor para nós e, principalmente, pras nossas futuras gerações viverem. E aí, vamos tentar?

You Might Also Like

5 Comentários

  • Reply Leticia Faria novembro 12, 2015 at 12:09 pm

    Oi Isa tudo bom?
    Antes de começar a falar sobre o post de hoje eu quero te agradecer! Conheci seu insta a uns 15dias através da @camposbibi, que ja acompanho a tempo, e logo depois de te conhecer descobri seu blog. Moro em Santo André (ABC paulista) e faço faculdade na Vila Mariana, ou seja, pego 2 trem e 4 metro todos os dias, na segunda feira antes de entrar no trem abri seu blog e comecei a ler, de seghnda pra cá já li todos os seus posts e só quero que você saiba o quanto você me ajudou!! Você foi a luz no fim do túnel pra mim! Por favor não para nunca ❤
    Agora falando sobre o post… no começo do ano parei de comer carne, todas, parei de uma forma muito drástica… Aguentei um mês e depois disso comecei a perceber algumas mudanças no neu corpo, minha menstruação atrasou mais de 3 semanas (não tinha como ser gravidez) e me sentia mais fraca, e minha mãe por não acreditar nessa coisa de ficar sem a carne ela ficou desesperada e me obrigou a voltar… mas desde que voltei diminui muito, evito ao maximo e só como uma ou duas vezes por semana quando não tenho opção e percebi que esse é o jeito correto de fazer uma mudança de vida! Acho que já estou pronta para cortar a carne vermelha de vez da minha vida… e as outras ir de pouquinho até acostumar.
    E mais uma vez eu quero te agradecer por tudo!!! Essa sua energia é maravilhosa

    • Reply Isabella Mezzadri novembro 12, 2015 at 12:20 pm

      Leticia, fiquei emocionada com seu comentário! Obrigada de verdade pelo carinho, fico muuuito feliz mesmo por saber de tudo isso!
      Sobre a carne, realmente, cortar todas de maneira drástica e sem repor todos os nutrientes pode ser perigoso. Acho muito importante você se consultar em um nutricionista ou nutrólogo especialista em vegetarianismo pra ele te passar todas as informações de que você precisa. Mas a carne vermelha é bem tranquilo de cortar, fica sem ela a princípio e procura ir tirando as outras aos poucos mesmo! E investe bastante nesses alimentos que falei no post, como arroz + grãos, vegetais e legumes (especialmente brócolis, couve e etc que têm proteína também), e sementes como a quinoa! Vou começar a passar cada vez mais receitinhas aqui também pra ajudar! <3
      Obrigada de novo pelo carinho e pelas palavras!
      Beijos!

  • Reply Amanda Black junho 15, 2016 at 8:00 am

    Ei Isabella! Também fiquei muito feliz de ter encontrado você! A algum tempo(2 meses) aderi ao vegetarianismo (ovolacto) e também percebi algumas mudanças no corpo! Se puder postar algo aqui ajudaria na pesquisa! Que Deus te abençoe!

  • Reply Ivanilda rabeli outubro 9, 2016 at 10:44 pm

    Olá.
    Também parei de comer carne vermelha e frango a uma semana.
    Estou me sentindo muito bem.
    Ainda não sei como substituir a carne. Mas vou aprender com o tempo.

  • Reply Mariela outubro 31, 2016 at 8:58 am

    Feliz e orgulhosa dm saber existem pessoas como vc!!!!!
    Estou sentindo uma terrivel necesidade de eliminar por completo as carnes no geral.Teu post foi a gota que faltava para rematar a minha determinação.Eu já experimento dias de 2 garfadas de carne!!! meu organismo está rejeitando e estou achando fantástico.
    Tenho a minha horta de onde colho algums legumes adubadas com o lixo orgánico que gero na minha cozinha.
    Obrigada pelas tuas palavras!!!
    Sucesso

  • Deixe um comentário